Logotipo branco da Bentley Systems
Início / ES(D)G / ESDG / Ação climática / Remediação de organoclorados e hidrocarbonetos por meio de barreiras adsorventes e oxidativas
Explore mais histórias de conservação da água e resiliência climática

Remediação de organoclorados e hidrocarbonetos por meio de barreiras adsorventes e oxidativas

A Geoambiente desenvolve um modelo hidrogeológico que resulta em aquíferos mais limpos e água potável mais segura

Desafio de sustentabilidade

Ação climática e recursos terrestres e hídricos

Um modelo 3D de um edifício com um círculo amarelo no meio.

Destaques do artigo

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relevantes da ONU

Meta 6 do ODS: água potável e saneamento básico.

Meta 9 do SDG: indústria, inovação e infraestrutura.

Logotipo da meta 15 do ODS: vida na terra.

Software utilizado

Leapfrog Works

Localização

Brasil

EMPRESA/ORGANIZAÇÃO

Geoambiente S/A

No final da década de 1970, um amplo complexo industrial de 116.000 metros quadrados no Brasil começou a fabricar máquinas e veículos agrícolas. Décadas de usinagem, ferramentaria, pintura e lavagem de peças de veículos, além de outros processos industriais, poluíram a área com contaminantes organoclorados e hidrocarbonetos. Embora essas plumas estejam afetando os aquíferos locais usados para obter água potável, o escopo total da contaminação nunca foi totalmente compreendido. A Geoambiente utilizou o Leapfrog para desenvolver um modelo hidrogeológico de toda a área, permitindo estimar com alto grau de certeza as fontes dos contaminantes e suas massas totais, bem como mapear zonas de aprisionamento e migração. Com o conhecimento adquirido com o modelo, a empresa colocou barreiras absorventes em áreas com maior concentração de contaminantes e reduziu significativamente os níveis de contaminantes. Em apenas seis meses, a solução da Geoambiente reduziu significativamente os níveis de contaminantes, incluindo a eliminação completa do dicloroetileno e do cloreto de vinila, uma redução de 99% no benzeno e uma redução de 72% no tricloroetileno. O resultado são aquíferos mais limpos e água potável mais segura.